“Ensinar exige compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo” (Paulo Freire)

Suzana Ziareski

Cincias sociaisSendo a ética a ciência que estuda os valores morais que permeiam atitudes, profissões, tomadas de decisões, faz-se necessário que o professor tenha a consciência da sua responsabilidade ética no exercício de sua tarefa, considerando a complexidade dessa profissão.

É preciso que o professor valorize e respeite os conhecimentos empíricos trazidos pelos alunos, pois é inevitável que esses façam parte do processo de aprendizagem. O conhecimento se dá traduzindo-se o que se aprende com o que já se conhece. Um novo saber se constrói em fusão com um conhecimento pré-existente.

Um processo de aprendizagem eficiente estimula o educando a uma reflexão crítica da realidade, visto que é assim que ele interagirá, contribuindo com a realidade em que está inserido, modificando-a, tornando-se agente individual capaz de cooperar com a construção de um coletivo.

Ensinar é uma tarefa que deve possibilitar ao educando a autonomia para construção do seu conhecimento, libertando-o para o seu uso. Portanto, ensinar não pode ser simplesmente transferir conhecimento, mas desenvolver a capacidade de produção e construção de saberes.

Para isso, o professor precisa estar “aberto” a indagações, perguntas, curiosidades, intervenções. Ensinar e aprender são recíprocos; ensinando se aprende e aprendendo se ensina. A reciprocidade nesse processo é fundamental para que se ensine com o devido respeito à autonomia e à dignidade. Isso também é ser ético, pois envolve preceitos morais.

Educar é agir com generosidade e comprometimento.

A educação é uma forma de transformação da realidade, que pode tanto “quebrar” uma ideologia dominadora, como mantê-la. Isso depende da maneira como o condutor dessa educação influencia seus conduzidos, formando-os com autonomia, conscientizando-os de seu papel na realidade em que está inserido, mostrando a eles que são, de fato, agentes históricos e sociais que devem, portanto, pensar e agir criticamente, reflexivamente.

Não é demagogia educar para a autonomia, já que o professor também faz parte do meio em que está inserido e colherá, inevitavelmente, os frutos sociais das sementes que plantou.

Bibliografia:

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 33ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.