Professor ensina como aliar a tecnologia com o conteúdo e aprendizagem escolar


116px-Computer n screen.svgUtilizar a internet e, principalmente, o recurso de vídeo são excelentes formas de refletir e até mesmo ampliar o estudo do tema específico. Um vídeo, por exemplo, permite que o aluno entenda o que é uma sequência cronológica, espaço, linguagem formal e informal – recursos não explorados em outro formato de aula.

“Na Língua Portuguesa, as peças publicitárias televisas mostram o discurso imperativo, as entrevistas jornalísticas distinguem um discurso formal do informal. Para a História, as cenas de filmes resgatam memórias ou fazem com que os alunos adquiram um conhecimento além de sua época. Na Geografia, é possível apresentar características físicas e naturais de outras regiões”, destaca Alex Nogueira, professor de Língua Portuguesa da Escola Santi.

No entanto, para que a utilização de vídeos na internet seja qualificada, a escola precisa ter infraestrutura tecnológica e professores habilitados, com projetores em sala de aula, bem como acesso à internet. Além das questões tecnológicas, existe o plano político pedagógico da Escola, o qual estimula e defende a ideia do uso de mídias e alternativas diversas para enriquecer o conhecimento do aluno.

“Nas aulas de Língua Portuguesa, já fizemos inúmeros trabalhos com histórias em quadrinho, Romeu & Julieta, Vidas Secas e comerciais de grandes marcas. Todas essas imagens e recursos desenvolvem habilidades não apresentadas em outros formatos”, destaca o Professor Nogueira.

Além da utilização da ferramenta em sala de aula, o professor precisa instrumentalizar o aluno no ambiente escolar. E como fazer isso? Ensinar como deve ser realizada a busca de fontes, palavra-chave, entre outros pontos, são de extrema importância para a seleção de uma vídeo-aula.

“Na Santi, enfatizamos a importância da relevância do conteúdo. O aluno sabe utilizar a Internet e vive inserido no meio tecnológico, no entanto, ele não está acostumado a apurar conteúdo, analisar e filtrar o que é interessante. Sendo assim, apontamos alguns critérios básicos para a pesquisa do aluno – dar preferência aos canais organizacionais ou governamentais (.gov ou .org), vídeos institucionais, sites de universidades e produções acadêmicas. Além da busca pelo canal, analisar quem é a fonte também é importante – quem é o usuário que postou? Quais são os demais vídeos que o usuário já publicou?”, finaliza Alex Nogueira.

Dicas para os alunos ao utilizarem vídeos para estudar

1. Não se distrair com as inúmeras possibilidades do Youtube e da Internet em geral, no momento da pesquisa.

2. Anotar o tempo correto das citações que são importantes: fazer uma espécie de minutagem.

3. Gravar o caminho que fez o aluno chegar até o vídeo – link, site, palavra-chave.

4. Anotar dados de tabela, dados numéricos ou de pesquisa de um vídeo. O material pode sair do ar e o aluno perder uma informação importante.

Fonte:  Assessoria de Imprensa da Escola Santi

Foto:  Divulgação