Os participantes debatem o processo de obras de CTPs

workshop 1“Eu acreditava que esse meio era um círculo particular, distante, e que só se chegava a ele quem era indicado ou convidado, mas percebi que não é bem assim...”, declarou Hélio Yasuki Seki, professor de Engenharia de Produção da Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo (SP).

A impressão que o professor tinha até então foi dissipada durante o workshop Processo Editorial: como nascem os livros científicos, técnicos e profissionais, realizado em 2 e 3 de outubro, no Espaço Arjuna Livraria, em São Paulo.

O evento contou com as palestras do editor de aquisição do Grupo Saraiva, Fernando Alves, e do editor do Grupo GEN, Agnaldo Lima, que discursaram sobre o mercado editorial de livros científicos, técnicos e profissionais (CTPs).

Organizado em conjunto com o Portal Professornews, o encontro reuniu professores, profissionais de diversas editoras, além de consultores e profissionais de várias áreas interessados em dar os primeiros passos na carreira de autor de livros.

O professor é, em função da própria atividade, obrigado a dominar a arte de escrever, ordenar ideias e transcrevê-las, não só em teses, artigos e monografias, mas também em livros, principalmente ao ingressar em programa de mestrado, prosseguindo posteriormente em doutorado.

E é produzindo Ciência que os professores ascendem na carreira acadêmica em universidades, intuições de pesquisa ou, até mesmo, desenvolvendo tecnologias ou conceitos em suas áreas de atuação e estudo.

De acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), que coordena o projeto Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), em 2013, foram produzidos pouco mais de 42 mil exemplares de livros CTPs, ao passo que, no ano seguinte, esse número ultrapassou a casa dos 44 mil exemplares.

Professornews: Professores em início de carreira estão mais habituados com a produção de teses e artigos. Quais são as maiores dificuldades quando se propõe a escrever um livro?

workshop fernandoFernando Alves: A forma, a técnica e o conteúdo devem estar organizados de forma mais palatável para que o autor consiga tornar seu trabalho propício à leitura. Em muitos casos, a dificuldade que o autor iniciante encontra é como transcrever suas ideias no papel, e isso cabe apenas a ele, pois ninguém poderá escrever em seu lugar.

Professornews: Diariamente, nas editoras, aportam sugestões de livros vindas de aspirantes a escritores. Como filtrar todo esse material e saber que é um produto vendável?

Fernando Alves: Além de saber muito bem o que está escrevendo, o autor precisa saber se o assunto em questão está atualizado, isto é, se o momento é propício para publicação do livro. As editoras levam em consideração muitas questões: se o tema está em voga, se o conteúdo é bastante procurado nas livrarias, a capa do livro, o currículo do autor, e para quem está sendo publicado.

Professornews: Tanto no meio acadêmico, como no meio editorial, existem exemplos de vaidade de autores. Sabemos também que, infelizmente, para alguns acadêmicos, o conhecimento não deve ser compartilhado, mas mantido como uma forma de exercer o poder. Para lançar uma sugestão de livro, o autor teme não pelo plágio, mas por ter sua ideia exposta aos editores e, ainda por cima, ser recusada. Há exemplos disso?

Fernando Alves: Sim, isso acontece bastante, principalmente quando se trata de livros com conceitos inéditos ou ditos ‘revolucionários’ por seus autores, mas esse é um risco que ele vai ter que correr. Não conheço nenhum exemplo de um autor que tenha tido sua obra recusada e sua ideia roubada por uma editora. No entanto, a melhor maneira de se proteger é o professor publicar seu livro em uma editora de sua confiança ou de sua própria universidade.

Professornews: Falando sobre isso, digamos que, para o autor, a obra seja importante demais para uma editora pequena. Nesse caso, uma editora de porte nacional poderá republicá-la?

Fernando Alves: Sem dúvida. Eu mesmo garimpo muito em feiras de livros e em editoras menores e de universidades. Ao perceber um bom conteúdo, entro em contato com o autor e com a editora para tentar comprar os direitos autorais e lançar o livro. Isso é um procedimento de praxe de toda editora de porte grande: fazer com que o livro seja conhecido, alcance um grande público e seja apresentado em várias livrarias do País.

Professornews: Depois de todo o processo editorial terminado e o livro finalmente lançado, qual o próximo passo?

workshop agnaldoAgnaldo Lima: A divulgação é o próximo passo e aí entra em cena a editora, que precisa ter um bom relacionamento com as livrarias. Estas, mais do que ninguém, entende o público daquele ambiente e vai determinar a melhor maneira de divulgar a obra, assim como apontar o número exato de exemplares a serem distribuídos. Um forte aliado neste processo é o uso das redes sociais para divulgar o livro, mas isso tem que ser feito de forma inteligente, postando apenas conteúdos úteis e salutares ao livro em questão, pois o público precisa saber porque vale a pena adquirir aquela obra e não vai perder tempo com futilidades. Estamos falando de CTPs e esse público é muito objetivo.

Leia mais em Professores participam de workshop sobre produção de livros.

Fotos e reportagem: Equipe Professornews