Adeptos utilizam regras rígidas para que batalhas sejam travadas de forma segura

Numa época em que muitas crianças e jovens preferem ficar “enfurnados” em casa, com os olhos vidrados nas telas de TV e do computador ou em jogos eletrônicos, um grupo reuniu-se nas praças do Ibirapuera e Villa-Lobos, em São Paulo, para praticar lutas de espadas como na Idade Média.

Os participantes utilizam vestimentas, lanças, espadas e escudos especiais, simulando batalhas famosas da história Antiga ou Medieval, passando pela época dos gregos, romanos, dos samurais e dos austríacos. As armas são cobertas com borracha, para evitar que alguém se machuque.

Cada grupo é ligado a um clã, onde cada guerreiro precisa mostrar conhecimentos do idioma (inglês, latim ou grego) e da história da classe que pertence. Nos combates, o objetivo é acertar o adversário duas vezes, desde que não acerte braços, pernas, tronco, cabeça e nos genitais, estando os infratores sujeitos a penalidades ou eliminação do jogo.

“Todo mundo joga com respeito e honestidade. Raramente há um toque mais forte e, caso aconteça, o guerreiro é punido”, informou o líder do clã Filhos da Noite, Magnus Griffo, 22 anos.

Para fazer parte de um clã, o candidato está sujeito a certas exigências, como não beber, não fumar, respeitar o líder e estudar regularmente.

“Não há preconceito nos clãs. Mulheres costumam ser guerreiras mais habilidosas. Todo mundo é aceito, desde que seja maior de 12 anos e cumpra as regras”, disse Stephan Klauss Baldez de Moraes, 22 anos, do clã Aço Negro. Os encontros são marcados pela internet entre os participantes.

Fonte: Jairo Marques (Folha de S. Paulo)