Ministério da Saúde possui estratégias para o combate à obesidade e sedentarismo

Uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde traz informações preocupantes para a sociedade brasileira: pela primeira vez, o porcentual de pessoas com excesso de peso ultrapassa a metade da população.

Os números da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2012) mostram que 51% da população com mais de 18 anos está acima do peso, contra os 43% registrados em 2006. Na ocasião, os homens representavam 54% desse quadro, enquanto as mulheres apareciam com 48%.

Para a pesquisa, foram consultadas 45,4 mil pessoas em todas as capitais e no Distrito Federal, entre julho de 2012 a fevereiro de 2013.

“Os dados reforçam que a hora é agora. Se não tomarmos - o conjunto da sociedade, familiares, trabalho, agentes de governo -, as medidas necessárias, se não agirmos agora, corremos o risco de chegar a patamares de obesidade como os do Chile e dos Estados Unidos. Por isso temos que agir fortemente”, alertou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

De acordo com os dados, uma das maiores causas para o excesso de peso é o sedentarismo e a falta de disciplina alimentar dos brasileiros, que preferem alimentos menos saudáveis em detrimento a frutas e verduras, por exemplo.

De olho no problema, o Ministério da Saúde criou estratégias de combate à obesidade, má-alimentação e sedentarismo, como o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), a Linha de Cuidados da Atenção Básica, que possuem programas de tratamento.

Pacientes com problemas com o peso podem procurar um posto da Academia da Saúde, para acompanhamento médico e receber instruções para ter uma alimentação balanceada e saudável.

Fonte: Daniela Martins e Fabiane Schmidt (Portal da Saúde)