O risco de desidratação é enorme quando comparado a outras estações do ano

2014 está se revelando um dos anos mais quentes da história e pode superar a marca registrada em 2013. Na estação mais quente do ano, os cuidados com a saúde e o bem-estar devem ser redobrados.

As recomendações para a população em geral são: usar roupas leves, aumentar o consumo de água, sucos de frutas naturais, água de coco e líquidos em geral; aumentar o consumo de frutas, verduras e legumes; além de evitar alimentos ou preparações muito gordurosos e salgados e, fugir do sol entre dez da manhã e quatro da tarde.

O risco de desidratação é enorme quando comparado a outras estações do ano, tal como no inverno. Durante o verão, o calor excessivo do ambiente provoca aumento da temperatura corporal. Para se defender, o corpo produz bastante suor para tentar "se livrar" deste excesso de calor e, assim, acaba perdendo grandes quantidades de água e sais minerais. Se não houver a reposição adequada da água perdida no suor, pode ocorrer a desidratação, que em casos mais graves pode levar até à hospitalização. Crianças e idosos são mais vulneráveis à desidratação e, portanto, devem prestar mais atenção às quantidades de líquidos consumidos.

"Os idosos, particularmente, apresentam um agravante: muitos deles são hipertensos. Segundo o Ministério da Saúde, praticamente metade dos idosos apresenta hipertensão arterial. Para o hipertenso, mais jovem ou em idade mais avançada, os cuidados com a alimentação e com os medicamentos devem ser revistos.

Os diuréticos, comumente utilizados para o tratamento da hipertensão, aumentam a eliminação de água e minerais pela urina, o que torna mais fácil a ocorrência da desidratação. Na desidratação, o sangue torna-se mais espesso por estar mais concentrado, aumentando o risco de formação de coágulos. Isso dificulta sua passagem por meio dos vasos sanguíneos e pode levar a doenças mais sérias, como o derrame cerebral" alerta a Professora Mariana Passadore de Freitas, professora do curso de Nutrição do Centro Universitário São Camilo, de São Paulo.

Durante o verão, é muito comum que as pessoas consumam bebidas alcoólicas e alimentos ricos em gorduras e sal. A combinação clássica de cerveja e petisco frito bem salgado pode levar ao aumento da pressão arterial e complicações aos hipertensos.

"Os alimentos ricos em sal, como embutidos, enlatados, salgadinhos, temperos prontos, entre outros, devem ser evitados ao máximo. Deve-se evitar exercícios físicos em temperaturas mais elevadas. Se, além da bebida alcoólica e dos alimentos salgados, o hipertenso fizer exercícios sem aconselhamento adequado, as férias podem ser encurtadas de uma forma desagradável. Grande parte das internações hospitalares no verão se deve aos efeitos da desidratação. Os sintomas, geralmente, são sede exagerada, boca seca, pouco suor, ou até mesmo, dor de cabeça, sonolência, tonturas, cansaço e palpitações. Para não ter sustos, o ideal é manter a hidratação em dia, consumindo muita água, seja na forma de sucos de frutas, água de coco ou ingerindo frutas inteiras e saladas de verduras e legumes", orienta a Professora Mariana Passadore de Freitas. 

Fonte: Assessoria de Imprensa do Centro Universitário São Camilo