São mais frequentes nos meses quentes e úmidos

sol solAcne é uma doença dermatológica caracterizada pelo aparecimento de cravos e espinhas; em alguns casos, surgem cistos, caroços e cicatrizes. Ocorre devido ao aumento na produção de sebo e descamação exagerada das células que revestem o folículo pilo sebáceo com a obstrução dos poros. Isso favorece a inflamação e possibilita a proliferação de micro-organismos.

Devido às alterações hormonais, é mais comum em jovens e adolescentes, com início na puberdade. Estima-se que 70% a 95% das pessoas entre 13 e 18 anos apresentam manifestações dessa dermatose. Entretanto, também pode aparecer em idade mais avançada. Segundo o Mistério da Saúde, 20% da população de 15 a 25 anos possuem acne. Dos 25 aos 34 anos, o percentual cai para 8%, e de 34 a 44 anos, o índice fica somente em 3%.

Por conta de fatores ambientais e genéticos, algumas pessoas permanecem com acne após os 30 anos. Apesar da maior incidência em homens, tem mais resistência entre as mulheres. Por exemplo, aos 40 anos, 5% da população feminina ainda contam com essa lesão dermatológica, contra apenas 1% do sexo oposto. Apesar de ser mais prevalente no rosto, também pode surgir no tórax e ombro.

Embora aconteça em qualquer época do ano, sob qualquer clima, elas tendem a ser mais frequentes nos meses mais quentes e úmidos. No calor, a pele torna-se mais oleosa, com maior possibilidade de acúmulo de impurezas e consequente obstrução dos poros.

“Principalmente no verão, quando aumenta a exposição solar, é comum a descamação das células que revestem o folículo pilo sebáceo, dificultando a eliminação do sebo”, explica o pediatra Antônio Carlos Madeira de Arruda, vice-presidente do Departamento de Dermatologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

 

Como se proteger?

Medidas simples podem amenizar a acne durante os dias quentes. A principal delas, segundo Arruda, é evitar a exposição solar prolongada, principalmente entre 10h e 16h, horário em que pode agravar potencialmente o quadro acnéico. “É importante, ainda, utilizar proteção como chapéus, viseiras e camisetas. Os fotoprotetores indicados são os de fatores 20 e 30, com aplicações a cada duas horas”, ensina.

O paciente deve ser alertado que o tratamento da acne é prolongado e que a melhora é gradual. O manuseio das lesões deve ser evitado pelo risco de infecção. O uso de cremes, cosméticos e a exposição ao sol podem piorar o quadro clínico. Devemos orientá-lo sobre a higiene suave da pele com sabonete comum e, se necessário, utilização de sabonete esfoliante. Protetor solar, na forma de gel ou loção, oil free, para não aumentar a oleosidade da pele, deve ser usado durante o dia.

“Os cuidados dermatológicos também incluem a ingestão em quantidade adequada de água, além de uma alimentação leve e rica em frutas, verduras e legumes, para uma boa hidratação corpórea – essencial para o bom funcionamento da pele, assim como, do organismo como um todo”, conclui o pediatra.

 

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias (Assessoria de Imprensa)